Terceira Porta à Direita: Novembro 2006

sábado, novembro 25, 2006

Inner Slut


Não adianta mentir. Não adianta enganar. Isto está dentro de todas nós.
Chega sempre o dia em que a gente quer ser assim, porque a verdade é que todas nascemos com vocação para santa, mãe, médica e prostituta. Não existe uma mulher no mundo que não seja capaz de assumir pelo menos três desses papéis ao mesmo tempo várias vezes na vida.

Não adianta dizer que não, porque todas nós mulheres sabemos quem somos. E se você não sabe ainda, espera quietinha, que a sua "inner slut" não tarda a aparecer. Ela pode chegar para uma pessoa só...aí a sua "inner santa" pode fazer companhia pra ela. hahaha!
Mas ela vem, mais cedo ou mais tarde, e surpreende você com talentos inimagináveis. Lógico que se a sua vocação para médica e santa for forte demais, será preciso que alguém chegue para apertar o botão: turn slut on. Mas a pessoa sempre chega! Não tem como escapar.

Não tem como negar. Todas nós já encurtamos a saia um dia...todas já deixamos aparecer alguma parte do corpo "sem notar...sem querer" na hora precisa e necessária. Todas já fizemos alguma coisa incrivelmente ilícita sem que ninguém mais soubesse. Todas já olhamos com slutty eyes para alguém algum dia.

É claro que não é todo dia! Tem dia só de santa. Outros só de mãe. Tem os só de médica. Mas ela ronda...ela passa muito perto, nem sempre em momentos convenientes.

Não! Não nega ainda...shhhh...não! Não diz que nunca! Porque (se nunca)....já já chega o dia em que você vai se olhar no espelho c e pensar como a moça aí de cima: "Maybe I want to look cheap"

domingo, novembro 19, 2006

Bom dia bom dia

Olha que lindo domingo cinzento lá fora!
Dias cinzentos são símbolo da ausência. Sempre, sempre, sempre que alguma coisa parece faltar, o dia fica cinzento lá fora.
É como se a minha vida comandasse o clima. Nem adianta querer um dia de sol quando eu fico triste. Meus amigos deviam dar um jeito de me deixar feliz, quando quiserem um final de semana de sol.

Mas ...vamos ao ponto. O que está faltando?
Está faltando estabilidade. Lógico. A criação de um personagem não é assim tão simples. É como se eu, ELLA, estivesse ainda na primeira infância, sem saber o que vou ser quando crescer. Nasci uma mulher dorona, crítica, sem sangue nas veias, com alma de reporter investigativa. Enquanto eu frequentava o blog alheio isso servia muito bem...

Um pouco depois, emprestei meu blog para Mélia Franklin...doce criatura de olhos lindos e cabelos impecáveis, que veio ao mundo para encantar e fez isso com maestria. Mélia se apaixonou, ficou cor-de-rosinha, linda linda linda! E se matou, coitada, no dia que cansou dessa vida.

Depois eu voltei, pronta para detonar, mas ainda tão indefinida que não sabia exatamente sobre o que escrever. Fiquei científica. Matei a pau com minhas especulações e teorias incríveis. Mas cansei da página de ciência da Folha, que começou a ficar a cada dia menor e menos interessante.

Fiquei poliglota. Me meti a escrever só em inglês, como se alguém do outro lado do mundo fosse ler esse blog. Hm...acontece...mas não com uma frequência que justifique deixar outros sem entender uma linha. E resolvi inventar histórias de romances e amores...pff! Não sou eu! Essa não sou eu! Não consigo me manter apaixonada assim. É preciso ser muito mais humana para manter o coração tão feliz.

Este é todo o meu problema. Perdi o RG. Lá se foi a minha identidade. Quem afinal de contas é Ella Spotlessmind? O que afinal de contas pensa Ella Spotlessmind? Preciso encontrar tudo isso para que esse blog exista decentemente.
Cansa um pouco procurar...acho que por isso que nós temos 13, 15, 16 anos para descobrir quem somos. No caso Ella, estou tendo que fazer vestibular aos 4 anos.

Mas não há nada que não se supere.
Um dia, eu vou ter 30 anos e conseguir ser estável, equilibrada, genial...

Espera! Alguém conhece uma mulher de 30 anos estável e equilibrada???

terça-feira, novembro 14, 2006

Silence...

I'm so sad I could fade away.

segunda-feira, novembro 06, 2006

I miss you like hell!


What the hell is hell doing in the same line as you?
You are heaven itself.

Can I miss you like heaven ?
Heaven with an H
as in Hug,
as in Honey,
as in Half,
as in Heart ?

Let me stop missing you, baby.

Come here with an H
as in happy