Terceira Porta à Direita: Agosto 2006

segunda-feira, agosto 21, 2006

O mundo não engole os gênios.


(ou... o futuro pertence aos idiotas).


É mais velho que o mundo: quando um homem enxerga além dos outros, é chamado de visionário – to say little. Louco! Estúpido! Sonhador! Os teóricos aparecem com 300 razões para não se levar em conta o pensamento de alguém que desbanca o status quo, o main stream, a teoria regente. E às vezes é tudo tão óbvio...

Se lembra quando a terra era quadrada e terminava num abismo com monstros marinhos? Oras...Qualquer um sabia que era assim. Era só chegar na praia e observar...O horizonte é uma linha reta! Logicamente não há nada além dele. Como não há nada além do céu. O Sol é uma estrela quente que gira em torno da terra para gerar dias para trabalhar, noites para descansar. Dias para guerrear. Noites para festejar. Pretty obvious. E a primeira pessoa que disse que é a terra que gira em torno do sol morreu numa fogueira da inquisição. HEREGE!!!!

Os hereges de hoje são queimados na fogueira das revistas científicas. Na fogueira dos teóricos e dos cegos. A ciência – ou os cientistas teóricos com viseiras – tornou-se a igreja de antigamente. Eles estão aí para dizer para qualquer louco que ele devia trabalhar no circo e não se meter onde todo mundo sabe tudo. Deuses...Deuses que pregam o monoteísmo...a monociência, a monovisão. Que riem e torturam com falta de verba os hereges que ousam discordar do grande deus.

Hoje a Folha de São Paulo traz um delicioso exemplo disso. Um holandês com cara de botequeiro-jogador-de-video-game, resolveu irritar os produtores de nanotubos usados na informática para produção de chips e descobriu o futuro (sim...o futuro além de Bill Gates ou do i-pod). Quando perguntado porque ele investiu nessa idéia, a reposta infantil dele mostrou que delicioso e divertido é enxergar além do alcance: “despeito!”(hahahahahha)
Por puro despeito e vontade de irritar, ele juntou seus alunos e colegas para descobrir o impossível: o grafeno. Uma folha de dimensões nanoscópicas (um nanômetro é um milionésimo de milímetro) composta só de átomos de carbono com propriedades mágicas.

Provavelmente, o GRAFENO será o substituto absoluto do silício (já que é estável como o silício não é), criando computadores e eletrônicos que não desligam nunca...trazendo o futuro inimaginável para a nossa vida diária.
Se você se perguntava como entraria online , ou como viveria sem caixa automático, luz, ou televisão, na vida pós-apocalipse, seus problemas acabaram! Pelo menos os meus, sim!

Esse doido visionário, já foi queimado na fogueira da ciência uma vez, recebendo o vexaminoso prêmio: IG NOBEL, por ter feito experimentos com imãs para levitar um sapo. E sim...Ele conseguiu levitar o sapo! Pra mim é muito óbvio...Até porque eu, como você, sei e nasci sabendo que o impulso magnético de ímãs de pólos opostos, gera uma energia que pode ser a única solução de combustível no futuro. Um combustível sem fim...Que pode suportar viagens intergalácticas, ou a total falta de combustíveis naturais num futuro bem próximo, além de levitar um sapo.

André Geim para mim podia ser chamado de “salvador da humanidade”, mas por enquanto para a comunidade científica ele não passa de uma criança irritante. Só que esta criança irritante e seus colegas acabaram de observar no grafeno um fenômeno que só era possível (pensaram errado de novo) na evaporação do buraco negro: o paradoxo de Klein. (elétrons atravessam barreiras teoricamente intransponíveis como se elas fossem transparentes).

Ora ora ora...Mais um herege mudando de posto. Geim, com um Ig Nobel, será com certeza o próximo NOBEL da física!
E o que isso tem a ver com a sua vidinha cotidiana? Aguarde e verás...Depois do Grafeno, e assim que ele sair do papel para o vale do silício (vale do grafite?) e acabar no seu computador, no seu celular, no seu carro, na sua TV, nos interruptores da sua casa...A sua vida nunca mais será a mesma.

E eu festejo!
Porque há limites nesse mundinho que não cabem na minha cabeça e a quebra deles me parece óbvia demais...Pena que eu nasci romântica, escritora, fanática pela arte e pela beleza, sem o menor talento para matemática...Embora meu olho para o óbvio da física sempre me atormentasse.
Ainda bem que nasceu alguém que enxerga o que eu vejo, e não sei mostrar...E que não vê o universo de dentro da janelinha segura da “igreja científica”...mas com olhos de thunder cat!
Estamos salvos!

sexta-feira, agosto 18, 2006

Proud Blonde ...

Sou loira!

Estou me matando de estudar para resolver um antigo problema da humanidade: porque que toda vez que eu abro o guarda-roupa, por mais que eu tenha colocado toneladas de roupas lá, nunca tem nada pra usar?

Tem outras coisas no universo que me incomodam...Tipo: como algumas mulheres se arrumam e se perfumam de manhã, e numa reunião às 5 da tarde ainda estão impecáveis? Tenho a teoria de que elas não existem. São hologramas. Ou eu sou um esculacho. Provavelmente a segunda opção. Eu nunca consegui estar penteada, por exemplo...Mas isso não me incomoda. Me incomoda o fato de não saber se “esculacho” é com x ou ch. Mas quem espera que uma loira saiba escrever?

Me incomodam mesmo as coisas mais sérias...tipo:

. Porque, nas novelas, os atores sempre pensam com locução em off? Porque meus pensamentos não saem em voz alta mesmo que eu levante uma sobrancelha só?
. Quando foi a última vez que você comprou uma lingerie que não fosse preta, branca, ou bege? (hm...essa veio do blog da Max...mas é uma pergunta instigante.)
Ou ainda...Porque algumas coisas no mundo não seguem as leis da gravidade, such as: o peito da Angelina Jolie, a bunda da Jennifer Lopes, a barriga da Brook Burke, a comprimento da saia da Paris Hilton?

Sim...São coisas que perturbam no andamento do universo.
Fora isso, tem as perguntas existenciais que perturbam o meu sono imensamente.
.Qual exatamente é a diferença entre cáqui, cru, bege, cor-da-pele e gelo?
. Em que momento o marido da moça do pet shop diz que ela está cheirosa?
. Quem realmente acha que nada se compara ao sabor do creme de papaia com cassis?
. Porque o Caetano Veloso treme a boca quando canta?
. Quem disse para o José Mayer que ele é bonito?

É...Viver não é fácil...São muitas perguntas rondando um só cérebro, que por sua vez fica dentro de um crânio cercado de cabelos loiros por todos os lados.Céus, como eu gostaria! Como eu adoraria que a cor dos meus cabelos realmente regesse as minhas dúvidas.
Mas eu confesso...É confortável! É maravilhoso ser loira. Pense comigo:Eu tenho sempre uma boa desculpa para ser barbeira. Nem mesmo o caixa do banco espera qualquer atitude inteligente vinda de mim. Ninguém me faz perguntas complicadas. Sempre esperam que eu diga alguma coisa extremamente estúpida. Ninguém duvida que eu não saiba alguma coisa. Se meu carro quebra, é só deixar o vento bater no meu cabelo, que algum mané aparece pra ajudar. E finalmente...Qualquer pensamento que saia da minha cabeça é uma adorável surpresa! Não é ótimo?

I wish!

terça-feira, agosto 15, 2006

Socorro! Perdi meu mapa astral...

Quase 2.500 astrônomos de 75 países começaram ontem na República Tcheca um encontro que deve mexer com os destinos do universo, diz a Folha de São Paulo de hoje. Eles vão decidir se Plutão é ou não é um planeta!

Céus! Como assim?

Eu aprendi que o sistema solar tem nove planetas. E tem sido assim desde os anos 30, quando descobriram a existência de Plutão…Meu avô aprendeu que eram 8. Eu que eram 9.
Mas o problema agora, é que vivemos em tempos interessantes. Tempos de fim do mundo, células tronco, planos para trazer de volta à vida Mamutes híbridos através de esperma congelado há milhões de anos...Tempos em que o bem fala inglês e o mal vai a Meca...Tempos em que só acreditamos no que vemos e assim descobrimos que não sabemos nada!
Nesses tempos, duvida-se de tudo. “Olha pro céu, querido... o que tem lá? Estrelas pra gente contar?” Não! O céu mudou. Já não se pode mais usar uma laranja e algumas bolinhas para mostrar o sistema solar para uma criança. Isso porque agora que Deus não existe mais, a ciência quer saber a verdade.
Adoro! Acho louvável...acho excelente...prefiro assim. Mas pensa comigo:
O pobre Plutão é um corpo celeste de apenas 2.360 Km...Gente! Pra dar a volta em Plutão é só comprar uma passagem pra Bahia!
Então...Como Plutão é Baiano, não se pode considerá-lo um planeta assim...planeta mesmo...respeitável. Ele é menor que a Lua! Isso é quase um acarajé voando por aí!
Então...Se a Lua não pode ser um Planeta, Plutão também não o será.
Que maldade...Mas não é só por causa da lua. É porque encontraram uma outra “coisa”. A COISA chama-se XENA (como a princesa lésbica guerreira) e tem 3.000 Km. (ok... dá pra chegar em Aracajú?). Se Platão é um planeta, Xena é mais que isso, certo?
E o pior vocês não sabem...Esses caras que passam a vida com a cabeça nas nuvens olhando pro céu estão la reunidos pra nos dizer não só se Plutão e Xena são ou não planetas...Mas para talvez mudar todas as enciclopédias e complicar a vida das criancinhas em idade escolar. Essa reuniãozinha pode expandir o número de planetas no Sistema Solar para 23, 39 ou até mesmo 53! Quantas laranjas serão necessárias afinal pra representar o Sistema Solar pras criancinhas?
E tem mais...Muito mais...Eles acham que a melhor forma é dar adjetivos para os planetas. Tipo uma coisa CASA COR, sabe? “Escritório fashion do arquiteto zen!” Assim, os planetas seriam “qualificados” de acordo com sua composição. Júpiter seria um “planeta gasoso gigante” e Xena e Plutão seriam “planetas gelados anões”. Não é ótimo para decorar na aula de geografia?
Mas o que isso tudo me mostra mesmo, é que vivemos de suposições e não de conhecimento há séculos. Achamos que sabemos...achamos que matematicamente provamos alguma coisa. Achamos que estamos sozinhos, achamos que a viagem intergalática não é possível, achamos que as estrelas que vemos hoje já morreram a bilhões de anos, achamos que a viagem no tempo não é possível...achamos e acreditamos porque alguém disse que sabia!
E essa é a piada mais divertida: não, senhoras e senhores, nós não sabemos nada! Nós projetamos pensamentos e raciocínios não tão óbvios. E ainda há tudo para se saber!

E agora?

Tá, mas e agora? Como fica o meu mapa astral? Vai ter 53 casas? E 53 signos do zodíaco? E eu que acreditei ser uma libriana a vida inteira. Quem sou eu de verdade? Não me lembro em que casa estava a minha lua...Mas e o meu Xena ta onde? E caso alguém saiba...Isso quer dizer o que? E se todos os objetos do cinturão de Kuiper virarem planetas, isso muda minha personalidade ou meu destino?
Estou insegura!
Eu tive muito medo do retorno de Saturno...Mas agora estou apavorada com a chegada de Xena e seus amigos!
Ai!

terça-feira, agosto 08, 2006

E la nave va...



É um barco gigante, enorme e incansável, que viaja pelos oceanos todos, os milhares deles, como uma voadeira num rio sem fim.
E lá vai o barco abarrotado de amores,
de histórias, de quereres tão imensos,
de vida escrita em água e estrelas...
(testemunhas únicas da existência deste meu navio).

La alva nave de mim, viajando em silêncio,
buscando sempre o que não há como num conto de fadas, ou num navio fantasma.
Os quereres e amores são carregados de magia, de alegria e de um silêncio mortal...pesado...cansado...
Cansado de busca, meu barco? Cansado de amar em vão?
O barco não cansa...
(é o peito que cansa).
Cansa saber tanto e não pronunciar. Cansa amar tanto, amor de tanta paz, tanta paciência, tanta generosidade, e deixar que o amor se vá...Vai, meu amor...vai! Vai viver o que te espera que eu te espero pra sempre, na nave que vai também...
E vai desenhando no mar, como a voadeira no rio, como os quereres exaustos,
pacientes,
pesados,
passados
calados...

E lá vai o barco para um lado e o amor para o outro caminho, ali do lado, onde eu posso ver, onde eu posso sorrir ao ver que o amor se faz...chorar ao ver que a dor lhe corta o peito...
e então meu barco navega em lágrimas que nem são minhas lágrimas...são o sal dos seus olhos que eu transformo e bebo pra que não veja que eu as percebi.

Ai ai...nem tanto assim...nem tanto...Mas há sim um barco abarrotado de amores, amores tantos, dos oceanos todos das minhas lágrimas...

...e você ali, no caminho ao lado.
(todo errado...) nem sabe de mim.